Vídeo secreto de 1969 revela estruturas estranhas na Lua

A ida do homem à Lua está, certamente, no topo dos grandes feitos tecnológicos da humanidade. Ainda mais considerando as condições daquela época. Hoje, um smartphone possui muito mais tecnologia do que a usada naqueles anos. O que torna esse feito ainda mais impressionante.

Mas quem nunca imaginou que haveria alguma coisa lá? Foi uma grande decepção para a maioria as imagens mostrando apenas rochas, areia e o infinito negro… e nada mais. Mas um vídeo publicado no You Tube, que teria sido filmado em 1969 por Neil Armstrong, mostra estruturas antigas e estranhas na superfície da Lua.

É de se imaginar que, se fossem encontradas realmente estruturas estranhas na Lua, essa informação não seria revelada ao público. Ainda mais considerando que quando ocorreu essa viagem ao nosso satélite natural, o mundo vivia a chamada Guerra Fria, a disputa econômica, militar e ideológica entre os Estados Unidos e a União Soviética.

Um dos astronautas que foi à Lua, Buzz Aldrin, que inclusive foi palestrante em uma das edições da Campus Party São Paulo (e eu estava lá) já fez diversas declarações de que acredita em vida extraterrestre.

Passados tantos anos deste grande feito, quem sabe não comecem a surgir mais informações que, até o momento, eram super secretas?

Assistam o vídeo, do You Tube

O documento mais acessado do FBI

Conhecido como “O Cofre” (The Vault), a biblioteca digital do FBI traz arquivos digitalizados de diversas épocas disponíveis para consulta pública. Tem documento a respeito de gângsteres, Segunda Guerra, máfia e, especialmente, sobre fenômenos sem explicação.

O arquivo mais acessado do Cofre acirrou a discussão a respeito da existência da presença alienígena na Terra: teria o Governo norte-americano realmente feito contato com seres de outros planetas?

O documento é um memorando de Guy Hottel, chefe de operações de campo, dirigido a J. Edgar Hoover, diretor do FBI, e descreve uma misteriosa descoberta feita em 1950, no Novo Mexico, apenas três anos depois do famoso Caso Roswell.

Veja o que diz o memorando:

https://vault.fbi.gov/hottel_guy/Guy%20Hottel%20Part%201%20of%201/view#document/p2

https://vault.fbi.gov/

“Um investigador da Força Aérea afirma que três supostos objetos voadores foram resgatados no Novo México. Os objetos foram descritos como tendo forma circular, centro elevado e 15 metros de diâmetro. Cada um deles era ocupado por três seres humanoides com apenas 90 centímetros de altura e vestidos em tecido metalizado de fina textura. A vestimenta era similar àquelas que os pilotos profissionais usam em provas de corrida”

De acordo com xxxx [nome riscado], o informante, os objetos voadores foram encontrados no Novo México devido aos radares de alta potência do Governo naquela área. Acredita-se que o radar tenha provocado interferência no mecanismos de controle dos discos.”

Com o rebuliço causado pelo memorando, o FBI teve que publicar uma nota explicando que Hoover havia descartado o memorando por se tratar de informação de terceiros (o famoso “disse-me-disse”).

Para os amantes da teoria da conspiração, o descarte do memorando foi feito apenas para despistar o que realmente aconteceu. Fica o mistério.

 

 

Homens-sombra, old hags, paralisia de sono, abduções alienígenas e djinns

Você já teve a experiência de, ao dormir, estar acordado e consciente do ambiente ao seu redor, porém totalmente incapaz de se movimentar? Cientificamente, esta experiência é chamada de paralisia do sono.


Porém, conforme milhares de relatos ao redor do mundo, existe uma experiência muito parecida com a paralisia do sono, com alguns detalhes a mais: a pessoa vê, ou sente, a presença de alguém ao lado dela.
Geralmente são figuras sombrias, em formato de pessoas, algumas com um chapéu, ou em forma de uma mulher. Estas são chamadas de homens-sombra (ou pessoas da sombra, shadow people em inglês).

Estas pessoas de um suposto reino sombrio, vivem junto à nós o tempo todo, mas não podemos vê-los, a não ser pelos cantos dos olhos, ou durante o sono (ou através de câmeras filmadoras, como vocês podem ver abaixo). Vejam este vídeo de supostos homens-sombra.

Outro fenômeno parecido é chamado de old hag (old = velha, hag = criatura feia e velha). Neste, a pessoa paralisada na cama, vê e sente uma criatura horripilante sentada em seu peito, geralmente querendo lhe enforcar.
Semelhante a isso é a abdução alienígena, onde mais de 1 milhão de pessoas por ano (só nos EUA) dizem sofrer. As sensações são as mesas, com a paralisia do sono, a sensação de uma presença próxima, mas no caso dos ETs, eles deixam marcas, implantes, curam ou deixam ferimentos, e às vezes, a pessoa é deixada em outro local (ou seja, ocorre um transporte físico da pessoa, tanto por sonambulismo induzido, como por outros meios obscuros de locomoção).

Não há mais a necessidade de se fazer a velha pergunta: “Será que estes fenômenos são reais ou apenas criações da mente humana?”. Hoje em dia há provas mais do que suficientes para comprovar a existência de seres reais, interdimensionais. Mas quem são estes seres? O que eles querem? Será que existem vários tipos ou apenas alguns?

Uma descrição interessante deste tipo de ser vem das culturas do Oriente Médio. Lá eles descrevem estas criaturas como sendo os djinns (ou Gênios em português).
Os djinns são seres espirituais invisíveis ao olho humano (o próprio nome djinn significa isso = oculto, escondido). Os djinns são essencialmente malignos, pois conta a história que eles querem tomar o espaço deles de volta, então eles vivem enganando, trapaceando, e assustando os humanos. Os djinns têm poderes metamorfos (ou seja, podem mudar de aparência quando quiserem). Um fato interessante é que os djinns podem se manifestar fisicamente temporariamente, e se transformar em belas mulheres (ou belos homens no caso das mulheres) para terem relações sexuais e criar híbridos humanos-djinns, pois os híbridos podem entrar com mais facilidade em nosso mundo. Isso se correlata com as histórias de succubus (demônios femininos) e inccubus (demônios masculinos), seres que invadem as noites das pessoas para lhes roubar as energias sexuais. E também com os casos de abdução em que as pessoas relatam terem experiências sexuais ou de serem coletados material genético pelos ETs para serem criados híbridos humanos-alienígenas.
Os povos indígenas norte-americanos têm a descrição que eu considero mais interessante: chamam estes seres de seres inorgânicos. Segundo várias tribos, os seres inorgânicos são seres de outra dimensão, que basicamente se alimentam de emoções negativas. Ou seja, quando mais assustador ele for, melhor será para ele, porque a energia do medo liberada pela pessoa será um prato cheio! Eles também se alimentam de energia sexual, e outras energias (provenientes de uma mente desequilibrada). Isso explica por quê pessoas equilibradas emocionalmente quase nunca experimentam encontros com estes tipos de seres.

Micróbios podem sobreviver ao ar rarefeito de Marte

Conceito artística da superfície de Marte coberta de oceanos há quatro mil milhões de anos

Um novo estudo descobriu que os micróbios, que estão classificados como dos organismos mais simples e antigos da Terra, podem sobreviver ao ar extremamente frio de Marte.

 A superfície marciana é atualmente fria e seca, mas há uma abundância de evidências que sugerem que rios, lagos e mares já cobriram o Planeta Vermelho há milhares de milhões de anos. Como a vida existe virtualmente onde quer que haja água líquida cá na Terra, os cientistas sugeriram que a vida pode ter evoluído em Marte quando este era mais molhado, e que a vida poderá ainda existir mesmo agora.

“Dos ambientes que encontramos aqui na Terra, existe um determinado tipo de micro-organismo em quase todos,” comenta Rebecca Mickol, astrobióloga do Centro de Ciências Espaciais e Planetárias da Universidade do Arkansas em Fayetteville. “É difícil acreditar que não existem outros organismos lá fora noutros planetas ou até em luas”, explica a autora principal do estudo num comunicado da NASA.

Mickol e a sua equipa divulgaram os seus resultados no artigo, “Low Pressure Tolerance by Methanogens in an Aqueous Environment: Implications for Subsurface Life on Mars”, publicado na revista científica Origins of Life and Evolution of Biospheres.

Investigações anteriores detetaram metano, a molécula orgânica mais simples, na atmosfera marciana. Embora existam maneiras abióticas de produzir metano – como atividade vulcânica – grande parte deste gás incolor, inodoro e inflamável presente na atmosfera da Terra é produzido por vida, como gado quando digere alimentos.

“Um dos momentos mais excitantes, para mim, foi a deteção de metano na atmosfera marciana,” realça Mickol. “Na Terra, a maioria do metano é produzido biologicamente por organismos passados ou presentes. O mesmo pode ser verdade para Marte. Claro, existem montes de alternativas possíveis para a existência do metano marciano e este ainda é considerado controverso. Mas isso só aumenta a excitação.”

Micróbios metanógenos

Na Terra, os micróbios conhecidos como metanógenos produzem metano, também conhecido como gás natural. Os metanógenos vivem tipicamente em pântanos, mas também podem ser encontrados nas entranhas de bovinos, térmitas e outros herbívoros, bem como em matéria orgânica morta e em decomposição.

Os metanógenos estão entre os organismos mais simples e mais antigos da Terra. Estes micro-organismos são anaeróbios, isto é, não requerem oxigénio. Ao invés, muitas vezes dependem de hidrogénio para energia e o dióxido de carbono é a fonte principal dos átomos de carbono que usam para criar moléculas orgânicas.

O facto dos metanógenos não necessitarem de oxigénio nem de fotossíntese significa que podem viver mesmo abaixo da superfície marciana, protegidos dos duros níveis de radiação ultravioleta do Planeta Vermelho. Isto pode torná-los candidatos ideais para a vida em Marte.

No entanto, a área mesmo por baixo da superfície de Marte está exposta a pressões atmosféricas extremamente baixas, normalmente consideradas inóspitas para a vida. A pressão à superfície de Marte, em média e ao longo do ano marciano, varia de um centésimo a um milésimo da pressão da Terra, demasiado baixa para a água líquida permanecer à superfície. Neste ar tão fino, a água ferve facilmente – em contraste, a pressão no ponto mais alto da superfície terrestre, o topo do Monte Evereste, é cerca de um terço da pressão da Terra ao nível do mar.

As investigadoras Rebecca Mickol e Navita Sinha preparam-se para colocar metanógenos na câmara Pegasus, localizada no Laboratório W. M. KeckAs investigadoras Rebecca Mickol e Navita Sinha preparam-se para colocar metanógenos na câmara Pegasus, localizada no Laboratório W. M. Keck

Para determinar se os metanógenos poderiam sobreviver a um ar tão fino, Mickol e Timothy Kral, o autor sénior do estudo e astrobiólogo da Universidade do Arkansas em Fayetteville, levaram a cabo experiências com quatro espécies de metanógenos: Methanothermobacter wolfeii, Methanosarcina barkeri, Methanobacterium formicicum e Methanococcus maripaludis. As experiências anteriores com base nestas quatro espécies, ao longo de mais de 20 anos, geraram uma grande quantidade de dados sobre estes organismos e sobre as suas taxas de sobrevivência em condições marcianas simuladas.

O conjunto mais recente de experiências, que levou cerca de um ano, envolveu o crescimento de micróbios em tubos de ensaio dentro de líquidos que serviam como representações dos fluídos que potencialmente correm em aquíferos marcianos subterrâneos. Os micróbios foram alimentados com gás hidrogénio e os líquidos foram cobertos com bocados de algodão, por sua vez cobertos com solo que simulava o que pode ser encontrado à superfície de Marte. Os interiores de cada tubo de ensaio foram então submetidos a baixas pressões.

Os metanógenos contidos nestes tubos de ensaio, que também continham nutrientes para crescimento, areia e água, sobreviveram quando sujeitos a ciclos de arrefecimento-aquecimento marcianosOs metanógenos contidos nestes tubos de ensaio, que também continham nutrientes para crescimento, areia e água, sobreviveram quando sujeitos a ciclos de arrefecimento-aquecimento marcianos

O oxigénio mata estes metanógenos e a manutenção de um ambiente livre deste elemento químico e a baixa pressão “foi uma tarefa difícil,” comenta Mickol. Além disso, a água evapora rapidamente a baixa pressão, o que pode limitar o tempo de duração das experiências e também obstruir o sistema de vácuo.

Apesar destes problemas, os investigadores descobriram que todos estes metanógenos sobreviveram a exposições que variaram entre os 3 e os 21 dias, e a pressões idênticas a seis milésimos da pressão à superfície da Terra. “Estas experiências mostram que, para algumas espécies, a baixa pressão pode não ter qualquer efeito sobre a sobrevivência do organismo,” realça Mickol.

Os cientistas também estão a medir o metano para ver se os metanógenos crescem ativamente a baixa pressão e se produzem metano.

“O próximo passo é também incluir a temperatura,” acrescenta Mickol. “Marte é muito, muito frio, regularmente descendo abaixo dos -100º C durante a noite e, por vezes, ao meio-dia do dia mais quente do ano, a temperatura pode subir acima da temperatura de congelamento. Nós realizámos as nossas experiências a uma temperatura logo acima da de congelamento, mas a fria temperatura limitaria a evaporação dos meios líquidos e criaria um ambiente mais semelhante a Marte.”

Mickol enfatizou que estas experiências não provam que a vida existe noutros planetas. “Dito isto, com a abundância de vida na Terra, em todos os diferentes ambientes extremos aqui encontrados, é bem possível que exista vida – bactérias ou micro-organismos minúsculos – em algum outro lugar do Universo,” comenta. “Estamos apenas a tentar explorar essa ideia.”

Fonte : ZAP // CCVAlg

 

Sistema solar próximo tem planeta que pode suportar vida

Foi descoberto na mesma região um exoplaneta com as condições necessárias para permitir origem de vida.

Uma nova pesquisa realizada a cabo pela Universidade Estadual de São Francisco detectou uma zona habitável em um sistema solar próximo do nosso. Além disso, nesta mesma região é possível encontrar um planeta com condições semelhantes à Terra (exoplaneta) e que os pesquisadores acreditam que tem boas hipóteses para suportar vida.

O exoplaneta em questão, o Wolf 1061c, fica localizado a ‘apenas’ 14 anos-luz e orbita a estrela Wolf 1061, sendo acompanhado por mais dois planetas. Ao contrário do exoplaneta, estes dois não estão dentro da zona considerada habitável, uma vez que ou estão demasiado próximos ou muito afastados da estrela.

“O sistema Wolf 1061 é importante porque é muito próximo e dá outras oportunidades para fazer mais estudos para ver se, realmente, contém vida,” apontou o principal responsável pelo estudo, Stephen Kane. Até o momento a equipe não acredita que o Wolf 1061c contenha vida, depositando as esperanças no fato de ter um tamanho e composição semelhante às da Terra e de estar na zona habitável para ter expectativas para a capacidade de suportar vida.

e mais outro exoplaneta com potencial para vida é descoberto

Os astrônomos estão apontando suas miras para um exoplaneta localizado relativamente próximo de nosso sistema solar, e ele até mesmo pode ter as condições certas para suportar a vida, tal como a conhecemos. Especialistas da Universidade Estadual de São Francisco (EUA) observaram mundos alienígenas no sistema Wolf 1061, a somente 14 anos luz de distância da Terra.

O mundo alienígena em questão é chamado de Wolf 1061c e, de acordo com os astrônomos, ele fica bem dentro da zona habitável de sua estrela. Por sorte, o planeta está localizado relativamente perto, o que permitirá aos astrônomos conduzirem mais estudos.

Porém, o planeta está localizado na parte interior da zona habitável, o que poderia significar que ele está sujeito a temperaturas extremamente altas que podem ter ficado presas na atmosfera, criando um efeito estufa tóxico.

Os cientistas observaram que o sistema estelar é o lar de pelo menos três mundos conhecidos.

exoplaneta

Para compreender melhor o sistema estelar e as condições do planeta Wolf 1061c, os especialistas mensuraram a estrela que ele orbita. O astrônomo Stephen Kane, da Universidade Estadual de São Francisco, disse:

O sistema Wolf 1061 é importante, porque eles está tão próximo e nos dá outras oportunidades para continuarmos nossos estudos, a fim de vermos se ele realmente tem vida.

Os especialistas observam que mesmo dentro da zona habitável, aquele mundo deve estar localizado no ponto certo para que sustente a vida tal qual a conhecemos.

Se um mundo estiver localizado muito longe de sua estrela, ele pode ser muito frio e, consequentemente, ter sua água congelada.

Atenção: 2017 pode ser o ano oficial da descoberta de vida extraterrestre

 

2017 É PROVAVELMENTE O ANO EM QUE OS SERES HUMANOS DESCOBREM A VIDA EXTRATERRESTRE

Em 2016 havia um grande número de sinais esperançosos apontando para a descoberta iminente de vida extraterrestre. Isso inclui a descoberta de um grande quantidade de exoplanetas, as promissoras missões da NASA a Marte, Saturno e Júpiter e, o mais interessante de tudo, a investigação SETI em curso sobre a teoria de que os extraterrestres estão tentando se comunicar com seres humanos com luzes de pulso. Tudo isso levou muitos cientistas e leigos a acreditar que 2017 será o ano em que os seres humanos finalmente se depararão com a vida extraterrestre.

Resultado de imagem para extraterrestres

Apesar dos sinais esperançosos Dr. Simon Foster, um físico do Imperial College, em Londres, alertou os fanáticos do espaço para não inflar suas esperanças. “No passado, quando pensávamos que tínhamos descoberto alienígenas anteriormente, era uma nova forma de estrela chamada pulsar. Nós não sabemos quase nada, e quando nos deparamos com algo que não sabemos ou não se encaixa no nosso entendimento atual, é muito bom dizer que poderia ser ets, enquanto que muitos deles são apenas um Fenômeno que não descobrimos “, disse ele. Mas apesar disso, ele disse que estava otimista sobre se a humanidade estava dizendo que estava confiante de que “há um avanço ao virar da esquina”. De acordo com o Dr. Foster, é Cassini, a sonda fenomenal atualmente monitorando Saturno e suas luas que são mais prováveis dar a prova definitiva da vida em outros planetas. Ele disse que uma das luas de Saturno, Encelado, é uma lua gelada e, portanto, é altamente possível que seja o lar de alguma forma de vida rudimentar. “A concentração tem sido em Marte, e eu acho que luas como Encélado e Europa, há uma boa possibilidade de encontrar vida – mesmo que seja em um nível microbiano”, disse Foster. No entanto, o professor Phillip Lubin da Universidade da Califórnia em Santa Barbara disse que acreditava que os cientistas talvez precisassem olhar um pouco mais longe para descobrir a vida alienígena. Ele apontou para o planeta recém-descoberto orbitando Proxima Centauri , que fica a apenas quatro anos-luz de distância da Terra. Ao longo deste ano, os astrônomos estão planejando examinar este planeta usando telescópios recém-desenvolvidos e muito poderosos na esperança de descobrir a vida extraterrestre, e eles estão bastante confiantes de que suas investigações produzirão resultados surpreendentes.